Ritmos

                                                                                        
                                          * Lúcia Mendonça de Andrade


Dias atrás, a acoã com seu canto choroso,
Como atalaia do cerrado,
Preanunciava a chegada do outono.
Meus ouvidos se encheram de sons variados
E meu coração batia em compasso com a Natureza.
Aos fundos do quintal, onde o córrego escoa lento
Fazendo cócegas nas almas dos sacis,
As saracuras respondiam às irmãs de solidão...
Hoje, nessa tarde mimosa quando a pastagem parece sorrir, 
No boqueirão da serra, de novo, as acoãs saúdam a estação que chegou.
À margem das águas mansas,
Junto ao ingazeiro florido,
Outra vez, as saracuras, sem recatos,
Reboaram ao canto triste,
No timbre exótico do seu cantar festivo.
Minha alma sorriu...

Lúcia Mendonça de Andrade


Escritora, poetisa, artista plástica.
Membro da União Brasileira de Escritores -UBE- GO
E Academia Jaraguense de Artes e Letras.
                          Pirilampo 26 junho 2010.